É um dia difícil para o torcedor rubro-negro. Com o fim da temporada de basquete, chegou o momento em que o Flamengo começa a definir suas peças para o próximo desafio e, infelizmente, perdemos hoje uma de nossas principais armas e um dos grandes símbolos de uma grande geração vencedora. Jerome Meyinsse, o Grandão, se despede do Mais Querido do Brasil após três anos maravilhosos.

Meyinsse não deixa o Mengo com problemas com a diretoria, relação desgastada ou mágoas. É o completo oposto disso. O Grandão encerra sua história rubro-negra levando na bagagem nossa eterna admiração e deixando seu nome para sempre marcado na história do Clube de Regatas do Flamengo. O jogador foi tudo que a Nação Rubro Negra sempre quis que aqueles que vestem o Manto Sagrado fossem e, por tudo isso, nosso agradecimento nunca será suficiente.

Como Alexandre Póvoa disse em sua carta aberta, publicada no site oficial do Fla, “você foi “Grandão” na acepção da palavra, desde o primeiro dia que pisou em solo brasileiro e se tornou carioca e flamenguista por opção. “Grandão” não somente como jogador, mas, sobretudo, em termos de caráter, que ajudou a personificar o perfil que transformou-se hoje em exigência número 1 para vestir a camiseta do “Orgulho da Nação”.”

Jerome deixa o Flamengo com três campeonatos cariocas, três NBBs, uma Liga das Américas, um Campeonato Mundial, uma porta sempre aberta e o eterno amor de 40 milhões de rubro-negros. Ele deixa um exemplo a ser seguido por cada profissional que vestir o Manto: acima de tudo, você precisa entender o que é esse clube e o que é ser flamenguista. E Meyinsse entendeu como poucos.

Em sua declaração final, Jerome publicou: “Não consigo achar palavras para descrever como meu tempo no Flamengo foi especial e nunca conseguiria imaginar que meus anos aqui seriam tão maravilhosos. Eu nunca vou esquecer esses anos no Flamengo e sempre vou estar torcendo de longe. Um grande beijo e até logo“. Prometo, nós também nunca lhe esqueceremos. Adeus e muito obrigada, Grandão.