Ainda que tenhamos uma torcida famosa por não ser exatamente das mais racionais e ponderadas, nem mesmo o flamenguista mais extremado consegue considerar 2016 um ano perdido. Mesmo sem títulos no futebol profissional, conseguimos a classificação para a Libertadores, brigamos até a reta final do campeonato, formamos o que parece ser uma base forte para o ano que vem e, com o título da Copa SP de Juniores, temos no banco um dos grupos de jovens mais promissores do passado recentes do clube.

Uma coisa porém, ficou clara durante essa temporada: o Flamengo precisa reaprender logo como ser um time decisivo.

Isso porque em várias situações, desde a desclassificação para o Vasco no carioca até os empates no Maracanã agora na reta final do Brasileirão, passando pela eliminação na Copa do Brasil, o Flamengo não soube se impor nos momentos mais importantes do ano, várias vezes dentro de casa, quase sempre contra times inferiores.

Ainda que algumas dessas eliminações possam ser até justificáveis – na Primeira Liga usamos um time misto, por exemplo – outras variam entre irritantes e constrangedoras. As seguidas derrotas para o Vasco, que durante o período disputava a série B, a eliminação para o Fortaleza, um time de série C, e a derrota para o Palestino, um time da colônia Palestina no Chile, estão entre os capítulos mais lastimáveis da história do Flamengo, e olha que eu já vi Walter Minhoca cobrar uma falta ensaiada nas costas do zagueiro Irineu durante uma partida dessa equipe.

E por mais complicado que seja precisar o que leva a uma eliminação desse tipo – nervosismo contra o Vasco? salto alto contra o Fortaleza? uma sutil tentativa de assumir posição diante da questão da Faixa de Gaza contra o Palestino? – esse tipo de postura é exatamente a que não podemos ter em 2017, um ano em que vamos disputar uma Libertadores onde já não temos exatamente aquele retrospecto tão positivo.


[se os gols da partida contra o América do México estiverem passando pela sua cabeça como um pesadelo, dê uma pausa de cinco minutos na leitura e tome um copo de água, eu vou estar aqui esperando]

Se o Flamengo esse ano reaprendeu a brigar, lembrou o gosto doce da disputa pela liderança, continuou se reformulando enquanto potência do futebol brasileiro, em 2017 ele precisa reaprender a decidir. Manter a frieza nas horas importantes, não sentir a pressão, principalmente da própria torcida, lembrar que muitas vezes o que separa um time campeão de um time eliminado é uma bola, seja ela um chute no ataque, seja ela um bicão na defesa.

Se os últimos anos vem sendo marcados por uma retomada rubro-negra, seja em termos de finanças, reputação, organização, 2017 precisa marcar a etapa final dessa retomada naquilo que mais importa: vencer, vencer, vencer. Afinal, nunca as condições financeiras do clube estiveram tão favoráveis pra umas boas obras de ampliação na sala de troféus.

 

Twitter: @joaoluisjr

Leia também do Blog Último Homem:
A chamada hora do louco
Um péssimo bom resultado ou um ótimo resultado ruim
Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo
Não tem dia comum no Flamengo

O que você pensa sobre isso? Comente abaixo!


Vire Apoiador do MRN: entenda melhor clicando nesse nesse link: bit.ly/ApoiadorMRN

Outras formas de ajudar este projeto:
– Nosso site faz parte do plano de afiliados do Nação, o programa de sócio-torcedor do Flamengo. Se você clicar em bit.ly/STdoMRN e aderir ao programa, ou até mesmo renovar seu atual plano, o Mundo Rubro Negro ganha 50% da sua primeira mensalidade.